TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RESENHA - O ÚLTIMO SELVAGEM

Por:   •  10/2/2019  •  Resenha  •  355 Palavras (2 Páginas)  •  34 Visualizações

Página 1 de 2

[pic 1]

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI – URCA

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS – CESA

DEPARTAMENTO DE DIREITO – CURSO DE DIREITO

DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA CULTURAL E DIREITO

JARLYANE GOMES PEREIRA

RESENHA CRÍTICA DO FILME: O ÚLTIMO SELVAGEM

CRATO, 2019

ANTROPOLOGIA CULTURAL E DO DIREITO


O filme O Último Selvagem é baseado em fatos reais e narra a história de um ameríndio chamado Ishi, que foi encontrado assustado e desnutrido, em um matadouro na Califórnia. O homem em questão foi considerado o último sobrevivente de uma tribo indígena chamada Yahi, cuja no passado foi alvo de um genocídio racista que levou a extinção de seu povo.      

Desde sua ‘’descoberta’’, Ishi foi acompanhado pelo antropólogo Albert Kroebber, no qual, juntamente com outros personagens, começa uma pesquisa detalhada a fim de entender a cultura do indígena.      

É possível perceber que o filme, em todo seu enredo, trata de temas como cultura, etnocentrismo, alteridade, relativismo e diversidade cultural.

A cultura está enraizada em todas as cenas do filme, pois ele apresenta os costumes do índio e seus antepassados, o seu modo de vida, seu hábitat, dentre outras características, além de mostrar também o modo de vida do homem urbano, promovendo assim uma visão diversificada da cultura.

O etnocentrismo está presente nas cenas em que mostram terceiros decidindo o que é melhor para o índio. Uma cena bem específica é quando o antropólogo julga que não é bom Ishi ter relações sexuais. Também na cena quando o antropólogo debate junto com um representante da justiça americana e o funcionário do museu sobre o futuro do indígena.

A alteridade é observada na relação do homem branco com o índio, na relação do antropólogo com a esposa, do antropólogo com os funcionários do museu, na relação do índio com a sociedade do século XX.

O relativismo cultural está presente em muitas cenas, onde podemos destacar a que o antropólogo pede que não seja feita autópsia no corpo no índio e quando o professor vê a máscara da morte ele canta uma música dos rituais funerais dos Yahi para que com isso Ishi consiga encontrar o caminho dos mortos, de acordo com sua crença.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (2.3 Kb)   pdf (90.4 Kb)   docx (19.7 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com