TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Ler e Escrever: Estratégias de Produção Textual

Por:   •  9/7/2024  •  Resenha  •  2.039 Palavras (9 Páginas)  •  24 Visualizações

Página 1 de 9

[pic 1][pic 2][pic 3]

RESENHA DESCRITIVA

Jacilda de Siqueira Pinho1

KOCK, Ingedore Villaça & ELIAS, Vanda Maria. Ler e Escrever: estratégias de produção textual. 2. ed. 2ª reimpressão - São Paulo: Contexto, 2014.

Ingedore Villaça Koch, licenciada em Letras e bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), mestre e doutora em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e livre-docente em Análise do Discurso pela Universidade de Campinas (Unicamp). Foi professora titular do Departamento de Linguística do IEL-Unicamp, onde implantou a área de Linguística Textual. Dentre suas obras, podemos elencar: A coesão textual (1990); A inter-ação pela linguagem (1997); O texto e a construção dos sentidos (2007) e outros em parceria.

Vanda Maria Elias, licenciada em Letras pela Universidade de Pernambuco (UPE), é mestre e doutora em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Seus estudos de pós-doutorado foram realizados no Instituto de Estudos da Linguagem na Universidade de Campinas (IEL-Unicamp), é coautora de ler e compreender os sentidos do texto; Ler e escrever: estratégias de produção textual; Pequena gramática do português brasileiro e coordenadora da coleção Linguagem & Ensino, além de outras produções.

Na obra, Ler e Escrever: Estratégias de Produção Textual, as autoras registram que o objetivo do livro é apontar, de forma simples e didática, algumas estratégias importantes para produtores de textos, no momento da escrita. Como elas escrevem:

[pic 4]

1 Professora na Escola Estadual “Irmã Lucinda Facchini”, município de Diamantino-MT. Mestre em Letras pela Universidade Estadula de Mato Grosso/Unemat.

buscou-se “estabelecer uma ponte entre teorias sobre texto e escrita e práticas de ensino”.

O livro é estruturado em oito (8) capítulos, nos quais as professoras disponibilizam um conjunto de exemplos comentados, mobilizando aspectos da teoria, de modo a proporcionar a compreensão por parte do leitor. Elas utilizam textos de alunos de diversas séries, oferendo um panorama de produções reais, fato que provoca a análise da relação com situações vividas, principalmente, por professores.

As autoras afirmam que a atividade de escrita é regida pelo princípio da interação e esse fato requer a mobilização de conhecimentos sobre a língua em situações interativas. A concepção de texto adotada é a sociocognitiva e interacional de linguagem em que o texto é concebido como o próprio lugar de interação verbal e seus interlocutores empenhados, dialogicamente, na produção de sentido.

Acrescentam que a produção de linguagem é uma atividade interativa altamente complexa, em que a construção de sentido realiza-se com base nos elementos linguísticos selecionados pelos enunciadores, não apenas para a mobilização de um vasto conjunto de saberes de ordem sociocognitiva cultural, histórica de todo o contexto, mas, sobretudo no processo de reconstrução no momento da interação.

As autoras estabelecem a diferença entre o texto escrito e o texto falado sublinhando que “a distinção está em como a produção se realiza” (p. 13). No texto escrito, não há coprodução, o escritor dialoga numa relação ideal com o possível leitor, ele planeja, elabora. Neste caso, a escrita assume um caráter de afastamento, “mas não deixa de ser contextualizada”. Já no texto falado, a produção nasce no próprio momento da interação.

Citando Marcuschi (1995), elas reafirmam que “as diferenças entre fala e escrita se dão dentro do continum tipológico das práticas sociais e não na relação dicotômica de dois polos opostos. ” Koch e Elias defendem que tanto a oralidade quanto a escrita

possuem características que não são exclusivas só das duas modalidades. Algumas características foram estabelecidas tendo como parâmetro o ideal da escrita.

Didaticamente, elas enumeram as seguintes características da fala: a) é relativamente não planejada; b) se constrói em sua própria gênese, tendendo, pois, a se desnudar no processo da sua construção; c) apresenta descontinuidades frequentes no fluxo discursivo; d) a sintaxe é característica. É processo, portanto, dinâmica.

Em contraposição, a escrita é o resultado de um planejamento centrado. A obra apresenta o percurso de como a escrita foi e vem se constituindo, ao longo do tempo, considerando-a como um produto sócio-histórico-cultural, que demanda diferentes modos de leitura, em diversos suportes.

Buscam respaldo em autores como Eisenstein (1998); Ferreiro e Teberosky (1999); Torrance e Galbrait (1999); Chartier (2003, 2002, 2001, 1998) Landsmann (2006), tanto para tratar do processo de aquisição da escrita quanto para fazer compreender o modo pelo qual a escrita é concebida como uma atividade cuja realização demanda a ativação de conhecimentos e o uso de várias estratégias no curso da produção do texto.

E, assim, definem os três focos da escrita: 1- Foco na língua: nesta concepção de texto, o que está escrito é o que deve ser entendido em uma visão situada, não além, nem aquém da linearidade, mas entrada na linearidade. 2- Foco no escritor: nesta concepção, o texto é visto como um produto lógico do pensamento do escritor, sem levar em conta as experiências e os conhecimentos do leitor. 3- Foco na interação: este foco ganha especial atenção, a escrita é vista como produção textual. A diferença reside no fato de que a escrita, neste foco, é compreendida na relação escrito-leitor, não ignora o fato de que o leitor com seus conhecimentos é parte constitutiva deste processo.

Além da discussão produtiva sobre a distinção entre fala e escrita, as autoras refletem sobre a escrita e as práticas comunicativas sob a perspectiva de gêneros textuais, proposta por Bakhtin (1992,) em sua composição, conteúdo e estilo, na qual o

autor afirma que em todas as esferas da atividade humana, por mais variadas que sejam, estão sempre relacionadas com a utilização da língua e que o enunciado reflete as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas [...]. Cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, sendo isso que denominamos gêneros do discurso.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (13.7 Kb)   pdf (143.7 Kb)   docx (40 Kb)  
Continuar por mais 8 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com