TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resenha quase deuses

Por:   •  28/5/2015  •  Trabalho acadêmico  •  631 Palavras (3 Páginas)  •  525 Visualizações

Página 1 de 3

RESENHADO POR:

BRASÍLIA

2015

Resenha crítica do filme Quase Deuses

Direção: Joseph Sargent.    Roteiro: Peter Silveman e Robert Caswell.

O filme Quase Deuses narra um fato verídico, que relata as dificuldades e racismos sofridos, pelas mulheres e negros da época, o reconhecimento imediato de uns, e a falta de reconhecimento de outros por questões raciais e diferença na qualidade técnica. É fortemente ligado à abordagem do multiculturalismo diferencialista ou monocultural, pois, retrata uma sociedade racista e preconceituosa existente nos EUA, que convivem com os diferentes, mas não se interagem nem se misturam.
No período em que a ciência estava em fase de descoberta cientificas para melhores avanços, o pensamento no augi era, unir a ciência e a tecnologia no tratamento de doenças e descobrir novas técnicas para processos cirúrgicos.

De fato, o que o filme retrata não é apenas como se concebeu o conhecimento do senso comum num mundo em que ele não é valorizado, mas também a repercussão do efeito causado por ele num mundo totalmente científico.

No filme a discrição e a divergência da comunidade cientifica, mostra claramente o que Fourez cita em seu texto “A comunidade cientifica não é homogenia e sim heterogenia porque diversos interesses estão presentes nela”, deixando bem claro a ética da época.

O reconhecimento foi importante para a comunidade acadêmica na descoberta da cirurgia cardíaca revolucionária pro mundo, e quem diria que algo tão marcante para a modernidade, pra ciência moderna houve a participação de negros e mulheres.

Blalock, foi o único que recebeu os méritos devido ao grande descobrimento que salvou muitas vidas, somente no final do filme Vivien Thomas consegue seus devidos reconhecimentos, pois Vivien foi o autor de descobertas incríveis, mas ninguém sabia nem o seu nome até o momento. Vivien foi obrigado a ficar calado quando sua nova técnica para cirurgias no coração deu certo, pois nesse conflitante mundo que ele vivia, nem sempre era lembrado devido ao fato de não ser médico.

A interação do saber do Vivien, mostrou que a doutrina existente na sociedade da época tanto na teologia quanto medicina de não tocar no coração foi mantida, e foi possível ver que independentemente do local que veio Vivien, que não é a academia mas sim de um lugar técnico que também reque esse conhecimento, e que a experiência dele como carpinteiro mostrou que áreas diferentes do saber estão interligadas de alguma forma.

O filme mostra que tanto a ciência moderna quanto Gérard Fourez, se basearam muito na objetividade ligada diretamente a razão, deixando bem claro que a ciência é razão, versus subjetividade que está ligada a emoção.

Por muito tempo na história da ciência e a ciência moderna e as nossas ciências de hoje, carregam muito forte a ideia de que razão é contrário a emoção, e que a ciência tem que se paltar somente na objetividade, e as ciências fazem isso agem com a razão. E apesar de fazerem brincadeira, fazendo-as de forma sérias sem o envolvimento da emoção, como uma brincadeira contida, porque tem haver com o lugar rígido da ciência, em que nenhum momento a emoção pode tomar conta.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.1 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com