TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

"O que é sociologia" a sociologia no contexto histórico de seu surgimento

Por:   •  2/2/2016  •  Resenha  •  1.155 Palavras (5 Páginas)  •  673 Visualizações

Página 1 de 5

MARTINS, Carlos Benedito. O que é sociologia. São Paulo: editora brasiliense.34ª edição.1993

Resenha[pic 1]

Lindson de Sousa da Silva[pic 2]

Em O Que é Sociologia, o autor Carlos Benedito Martins, procura descrever e situar a sociologia no contexto histórico de seu surgimento, bem como, a formação e seu desenvolvimento. No livro, ele, relata que no princípio a sociologia foi resultado da tentativa de compreender as situações provocadas pela nascente sociedade capitalista. Martins nos explica que os exagerados interesses econômicos e políticos foram elementos bases na formação do pensamento sociológico.

Em seguida, no primeiro capítulo, intitulado de “o surgimento” o autor se dedica a descrever as situações e contexto histórico do nascimento da sociologia. Martins, esclarece que o surgimento da sociologia se desenrola na consolidação da sociedade capitalista por volta do século XVIII. Sendo este século que ocorreram as revoluções industrial e a francesa, que por sua vez constituíram a sociedade capitalista, possibilitando o surgimento da sociologia, embora, este termo tenha sido usado apenas em 1930.  

Com a organização de atividades sociais, o desaparecimento de pequenos proprietários rurais, dos artesãos, determinação de horas prolongadas no trabalho, surgimento do proletário, a sociedade se tornou então em um problema e um objeto a ser estudado. E os pensadores que se dedicaram não eram de fato sociólogos, mas sim homem liberais, conservadores e socialistas.

O autor relata, que a então recente ciência, objetivava abarcar e repensar os problemas de cunho social, isto é, oriundos de instituições, da família, etc. .

Houve, portanto, a oficialização da sociologia que parte do mérito se deve ao positivismo. A sociologia positivista buscou constituir uma teoria adversa da filosofia negativa e da economia política, buscando criar um objeto próprio: o social. No entanto, esta sociologia positivista, não abarcará os fundamentos e questões da sociedade capitalista; nela o proletariado não obteve expressão e orientação para lutas práticas.  

Findando essa parte, o autor relata que a sociologia foi uma tentativa de reflexão que buscou entender a sociedade moderna. Com o desejo de intervir na civilização, suas elucidações dominaram intervenções práticas, isso tendo de manter ou alterar os fundamentos da sociedade.

No segundo capitulo, o autor dedica-se a descrever a formação da sociologia. Por vez colocada como uma ciência de muitos métodos, mas que não produz resultado, a sociologia, teve divisão por antagonismo, causando desentendimento entre os sociólogos em relação a sua própria ciência. Dessa maneira, variados entendimentos originaram diferentes tradições na sociologia. Dentre essas tradições, uma se comprometeu em defender a ordem instalada pelo capitalismo, encontrando no pensamento conservador inspiração para formular seus conceitos. Criticando a modernidade, os conservadores elaboraram uma nova teoria sobre a sociedade, centralizando o estudo nas instituições sociais e suas contribuições para a ordem social.

Os primeiros pensamentos socialistas, serão encontrados apenas nas obras de Saint-Simon (1760-1825), isto viria a ser as sementes de ideias do socialismo.

Para ele, a ciência poderia executar função semelhante de conservação social assim com a religião no período feudal. Dessa maneira, era vital para a nova ordem social a ciência da sociedade.

Martins em seguida, relata que o positivismo buscou oferecer a sociologia uma orientação para sua própria formação, que ela assim poderia realizar suas pesquisas de maneira semelhante a astronomia ou a física, afim de realizar descobertas. Relata-nos, também, que Comte considerava a “ordem” e o “progresso” elementos fundamentais da sua sociologia positiva.

Foi Durkheim que constituiu e indicou o objetivo e o método de pesquisa da sociologia, possibilitando seu reconhecimento acadêmico.

Com os fenômenos na realidade que se diferenciavam dos abordados por outras ciências, a sociologia deveria torna-se independente, impedido a confusão de seu objeto, com a biologia ou a psicologia. A sociologia deveria, dessa maneira, deveria se preocupar com os fatos sociais que se expõem aos indivíduos. Também, deveria encontrar e solucionar os problemas de cunho social afim de restaurar a normalidade social da sociedade.

Já a preocupação do positivismo foi a conservação do capitalismo e sua ordem, em contrapartida o pensamento socialista procurou fazer críticas radicais a esse movimento histórico.

O socialismo pré-marxista, foi, portanto, uma reação direta das condições advindas do capitalismo, especialmente às relações de exploração. Marx e Engels, apontaram as ideias da literatura socialista, não deixando de fazer algumas críticas a este socialismo no objetivo de aperfeiçoa-lo.

Engels, diz Martins, postulava que a realidade era fruto do pensamento ou do espirito. As ideias, para ele, os fenômenos são projeções advindas do pensamento.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.1 Kb)   pdf (118 Kb)   docx (298.2 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com