TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

O Ensinar História nos anos Iniciais do Ensino Fundamental: Desafios conceituais e metodológicos.

Por:   •  7/4/2021  •  Trabalho acadêmico  •  1.593 Palavras (7 Páginas)  •  13 Visualizações

Página 1 de 7

FACULDADE SANTA FÉ/ IDESP

COORDENAÇÃO DE PEDAGOGIA

CURSO PEDAGOGIA

ENSINAR HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL:

DESAFIOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS

São Luís

2019

ISANEIDE DIAS DE OLIVEIRA

ENSINAR HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL:

DESAFIOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS

Fichamento apresentado ao curso de Pedagogia da Faculdade Santa Fé/IDESP como requisito para obtenção de nota parcial da disciplina Teoria e prática de História.

.

Profª Yara Santos

São Luís

2019

DOROTEIO, Patrícia Karla S.Santos. Ensinar História nos anos Iniciais do Ensino Fundamental: Desafios conceituais e metodológicos. Londrina,2016.

  1. Ensino de História nos Anos Iniciais, o que dizem as propostas curriculares?

As propostas curriculares advindas pós década de 1990 trazem como marca o momento de ruptura que se deu nos modos de pensar e ensinar a disciplina. (...) (p.211)

(...) Bittencourt (2011) evidencia que enquanto muitos historiadores da década de 1980 aproximaram-se dos sujeitos e objetos de investigação da Antropologia e da Sociologia, à investigação histórica agregavam-se novas fontes como a memória oral, as lendas e mitos, os objetos materiais entre outros. (...)(p.212)

Essa concepção mostrou-se um desafio também para o ensino da disciplina, de modo que as relações entre micro e macro História passaram a fundamentar algumas propostas curriculares posteriores a esse período, (...), os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s) para a área, em suas versões para séries iniciais e finais (Brasil, 1997). (p.212)

Nos PCN’s há a indicação para organização dos conteúdos em eixos temáticos. Os eixos propostos procuram introduzir noções e conceitos básicos para a História a partir do processo de alfabetização(...). No documento curricular destacam-se os conceitos de cultura, de organização social e do trabalho e as noções de tempo/espaço históricos, sendo que o conceito de tempo é apresentado por meio da noção do antes e do depois (...) (BITTENCOURT, 2011). (p.213).

Bittencourt (2011) aponta a presença em algumas propostas pedagógicas de uma concepção de história do local ou de “história do lugar” que, de maneira geral, procura estabelecer relações entre o mais próximo, o vivido da criança, e a história nacional, regional e geral ou mundial.(p.213).

  1. Ensinar História nos Anos Iniciais: quais conteúdos, concepções e metodologia?

Em pesquisa sobre o ensino de História nos Anos Iniciais, Azevedo (2010) indica na memória espontânea de futuras professoras/pedagogas a persistência da História como uma matéria decorativa, centrada em um nacionalismo marcado pela exaltação dos grandes nomes e datas cívicas (...)(p.214).

No mesmo sentido, Abud (2012) aponta a persistência nessa visão da História como uma disciplina cuja tradição escolar obriga a decorar, (...). (p.214)

Dessas considerações, destaca-se o necessário investimento em formação inicial e continuada dos profissionais que atuam nos Anos Iniciais, sendo essa função marcada pela polidocência, na qual se exige desse professor o domínio de várias disciplinas, (...) (p.215)

Os questionários analisados pela pesquisa “Ensino de História nos Anos Iniciais, conteúdos, métodos e concepções” indicaram um público de docentes que em sua totalidade apresenta curso superior em Pedagogia, destaca-se ainda, que desse público metade concluiu cursos de pós-graduação. (...) (p.215).

Contudo, destaca-se que os docentes submetidos à pesquisa indicam uma concepção de História na qual a disciplina ganha significado na condição de “mestre da vida”. Ao serem questionados (...), os docentes indicam afirmativas vagas, tais como “ não se pode conceber o futuro sem antes conhecer sua história”, “a história é uma ciência que tenta compreender o passado e o presente da humanidade”, (...) (p.215)

Nessa representação, o conhecimento histórico torna-se importante para o porvir, não sendo agregador para o desenvolvimento do conhecimento no presente. (...) (p.215).

Destaca-se, ainda, as representações da História relacionadas a uma formação para a cidadania, nas quais os docentes afirmam ser a disciplina importante por: “construir a cidadania, criando condições para que se tornem conscientes e críticos, valorizando a si próprios como sujeitos históricos” ou ainda, “é importante para o exercício pleno da cidadania”. (p.216)

(...). Também vai ao encontro do que afirma Monteiro (2002) ao considerar que a disciplina está imbricada em uma profunda relação com as práticas sociopolíticas e culturais da sociedade, além de ser comum reconhecer nos profissionais dessa disciplina um compromisso firmado e vivenciado com uma formação para a cidadania. (p.216).

Ao considerar a inserção da categoria cidadania relacionada aos objetivos de ensino, nota-se a apropriação nos registros dos docentes das influências que compõem as reformas curriculares e os discursos educacionais. (p.216)

Fator de destaque em relação ao ensino de História se refere às poucas aulas semanais destinadas à disciplina. (...). Sobre esse tema, Abud (2012,p.556) afirma,

“A restrição ao tempo para se ensinar a disciplina (História) e a valorização da Língua Portuguesa e da Matemática constituem-se em fatores primordiais para a exclusão das outras matérias. (...)”.(pp. 216 e 217)

No mesmo sentido, Silva (2013) aponta uma desvalorização do saber histórico nos Anos Iniciais, tal fato é atribuído ao foco na alfabetização, de acordo com o que determinam os documentos oficiais para os três primeiros anos de escolarização. (...)Entretanto, consideram-se ainda que: “ o ‘foco na alfabetização’, todavia, não pode perder de vista as diversas dimensões que o processo envolve, pois, como nos ensinou Paulo Freire, ler é ler o mundo(...)”(p.217)

Os PCN’s reafirmam a necessária inserção do ensino de História, desde os primeiros anos de escolaridade, ao fazer a indicação metodológica, “no caso do primeiro ciclo, considerando-se que as crianças estão no início do processo de alfabetização, deve-se dar preferências aos trabalhos com fontes orais e iconográficas e, a partir delas, desenvolver trabalhos com a linguagem escrita. (BRASIL, 1997, p.49)(p.217).

Nessa perspectiva, o ensino de História possibilita a leitura de mundo a que se refere Paulo Freire, necessária ao desenvolvimento das habilidades inerentes ao letramento. (...) (p.217).

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11.6 Kb)   pdf (73 Kb)   docx (14 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com