TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Inveja Segundo Melanie klein

Por:   •  4/4/2019  •  Trabalho acadêmico  •  468 Palavras (2 Páginas)  •  11 Visualizações

Página 1 de 2

A inveja segundo Melanie Klein é uma das emoções mais primitivas e fundamentais, onde a criança atribui a inveja no desejo inconsciente de destruição ao objeto no qual se relaciona, ou seja, na grande maioria o seio materno.

Quando o bebê nasce o aparelho psíquico dele ainda não pode perceber a existência de si mesmo ou do outro, e como na grande maioria a mãe dá o seio para satisfazer sua fome, na fantasia da criança o seio tem tudo e ela não tem nada, criando uma relação de dependência, e ele se percebe incompleto, logo, ela tem inveja, pois ela vai querer destruir o que o outro tem a fim de acabar com a relação de dependência.

A inveja pretende que seja tão bom quanto o objeto, e quando isso é sentido como impossível, pretende danificar a bondade do objeto, para remover a fonte de sentimentos invejosos. A inveja representa a destruição, o desejo de destruir o objeto seio que tem a capacidade de ser autossuficiente de poder ser o seio, e produzir o leite, então por tudo isso a criança sente inveja sendo que não é algo consciente e sim uma vivencia psíquica.

Quando pensamos em inveja e portanto a destruição, estamos falando de pulsão de morte em que podemos citar a voracidade como a maneira agressiva de representar essa inveja, a inveja pode se unir com a voracidade, ou seja um desejo exagerado de acabar/destruir inteiramente com objeto de modo que não contenha nada invejável, como por exemplo, quando a criança mama rapidamente quase que destruindo objeto seio, mordendo ou sugando com força quase destruindo é para suprir o vazio que a inveja do sempre proporciona a ela, lembrando que isso é uma vivencia psíquica e é tudo inconsciente.

A inveja causa ansiedade, pois quando a criança tem inveja e quer destruir, cria-se defesas no inconsciente contra essa inveja, e essa defesa gera medo na própria criança que passa a ter medo de ser destruída gerando uma ansiedade persecutória , ( uma ansiedade de perseguição) então esse ciclo se repete e aumenta cada vez mais, para que esse ciclo seja rompido, esse objeto precisa ser introjetado reduzindo assim a ansiedade.

Para Melanie Klein a sequência maturacional e emocional somente pode ser conquistada de forma satisfatória caso o bebê sustente pequenas doses de inveja sem provocar destruições mesmo que imaginárias no seio ou em outro objeto no qual esteja se relacionando.

Existem mecanismos internas que defendem o sujeito dessa ansiedade e uma das formas encontradas pelo aparelho psíquico é expulsar esse mal angustiante de dentro e depositá-lo no meio ambiente. Dessa forma, a inveja brota de dentro e sempre encontra um objeto sobre o qual destaca, e é insaciável. A inveja excessiva indica que traços paranoides e esquizoides são anormalmente intensos e que o bebê pode ser considerado como doente.]

...

Baixar como (para membros premium)  txt (2.8 Kb)   pdf (26.6 Kb)   docx (7.6 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com