TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Fundamentos Históricos Teóricos-metodológicos do Serviço Social II e Psicologia e Serviço Social I

Por:   •  5/9/2015  •  Trabalho acadêmico  •  1.402 Palavras (6 Páginas)  •  192 Visualizações

Página 1 de 6

UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP

POLO PRESENCIAL: ITATIBA-SP

Curso de Serviço Social

[pic 1]

DESAFIO PROFISSIONAL

Disciplinas: Fundamentos Históricos Teóricos-metodológicos do Serviço Social II e Psicologia e Serviço Social I

Maria Iracema Rodrigues Ferreira                       Ra: 2892586695

                             

Prof. EAD: Maria Darlene N. Alves

Itatiba

Março de 2015

 

Fundamentos Históricos Teóricos-metodológicos do Serviço Social II e Psicologia e Serviço Social I

O presente trabalho, tem por finalidade nos levar a reflexão sobre os parâmetros da atuação dos Assistentes Sociais e Psicólogos(as) dentro da Política de Assistência Social, compreendendo-se a importância do trabalho multidisciplinar no enfrentamento da questão social, dentro do contexto da Ditadura Militar.

A Ditadura Militar, ficou marcada por Atos Institucionais que colocavam em prática a censura, a perseguição política, a repressão daqueles que eram contra o regime, entre outros, levando os profissionais da Assistência social se desvincularem do conservadorismo da profissão, foi quando o Serviço Social adentrou na discussão do Movimento da Reconceituação, portanto a Ditadura Militar acabou tendo grande influência para a reformulação do Serviço Social.

A profissão de psicólogo foi regulamentada no Brasil em 1962, pouco tempo antes do Golpe Militar que condenou o país a um longo período ditatorial.

Foi um período caracterizado pela ênfase de teorias individualistas que contribuíram para tendências culturais da hegemonia burguesa e criavam uma psicologia privada, individual e elitista.

O Serviço Social Brasileiro foi marcado em sua história recente por influências teóricas advindas das ciências da natureza

Foi a partir do Movimento de Reconceituação ocorrido a partir da década de 1960, que a categoria profissional teve a possibilidade de vislumbramento de outros referenciais teóricos, que vai além das requisições da autocracia burguesa ao Serviço Social.

Um dos elementos caracterizadores da renovação do Serviço Social sob a autocracia burguesa foi a laicização do serviço social (PLT, pg128).

Outro elemento constitutivo da Renovação do Serviço Social são as elaborações teóricas referidas a profissão e o significativo debate teórico metodológico.

Marca o Serviço Social ainda nesse período o Seminário de Araxá, onde o Serviço Social adentra na discussão do Movimento de Reconceituação. Após o Seminário de Araxá, acontece em 1970 o Seminário de Teresópolis. Registra-se ainda a análise dos casos de Sumaré e Alto da Boa Vista, onde formulações registradas anteriormente caminham para o desenvolvimento das ideias que geram a chamada “modernização conservadora” que o Estado Ditatorial leva a cabo e contribui para o processo renovador.

A partir de 1972 até 1974, alguns assistentes sociais elaboraram uma crítica de esquerda, baseada no marxismo de Althusser, o que resultou no método B.H.

Outro marco importante da categoria profissional aconteceu em 1979, com o II Congresso Brasileiro dos Assistentes Sociais (denominado de Congresso da Virada).

 Ao iniciar a década de 80, principalmente com as Diretrizes Curriculares de 1982, o Serviço Social adentrou na corrente Marxista de influência gramsciana (Teoria Crítica de Antonio Gramsci).

Em meio a promulgação da Constituição Federal de 1988 a categoria profissional redesenha a fundamentação teórico-metodológica, e os assistentes sociais aprofundam as discussões e debates sobre a formulação de um Projeto Ético-Político, cujo valor central é a liberdade humana, alicerçada no aparato legal dos direitos civis, direitos sociais e direitos políticos.

Foi ao longo de sete décadas que o Serviço Social conquistou tal projeto, o qual é fruto de luta e resistência, por parte dos assistentes sociais, às ideologias políticas, econômicas e culturais conservadoras presentes no cenário nacional.

Diante do cenário que a história nos coloca em relação ao trabalho, lutas e transformações das profissões das áreas de Psicologia e Assistência Social, podemos constatar que ambas as áreas caminharam no sentido da construção de práticas baseadas através de teorias, métodos e fundamentos comprometidos com a sociedade brasileira, e com a transformação social, em direção a uma ética voltada para a emancipação humana.

Durante o período Ditatorial, tanto as abordagens psicológicas quanto as do serviço social eram dentro de um perfil de alienação e a serviço do regime.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.9 Kb)   pdf (123.6 Kb)   docx (27.7 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com