TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RESENHA TRABALHO INFANTIL – PROIBIÇÃO TRABALHO DOMÉSTICO INFANTIL

Por:   •  9/3/2020  •  Resenha  •  1.322 Palavras (6 Páginas)  •  10 Visualizações

Página 1 de 6

APS - DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO

RESENHA TRABALHO INFANTIL – PROIBIÇÃO TRABALHO DOMÉSTICO INFANTIL

ALUNA: Ana Carolina Luz Arab

RA: 842.864-3

Ao longo da história mundial, as crianças foram muito utilizadas como recursos humanos para o desenvolvimento das economias, principalmente durante a Revolução Industrial, sendo exploradas desde a primeira infância, executando longas jornadas de trabalho, para ajudarem no sustento de suas famílias. Já no Brasil, tivemos más experiências em âmbito trabalhista, pois a escravidão imperou no país por cerca de 388 anos, deixando diversas sequelas sentidas até a atualidade. Apesar da existência de diversos mecanismos de combate ao trabalho infantil, esta prática ainda é bastante comum mundo afora.

Segundo a OIT – Organização Internacional do Trabalho, o trabalho infantil é causa e efeito da pobreza e da ausência de oportunidades para desenvolver capacidades. Ele impacta o nível de desenvolvimento das nações e, muitas vezes, leva ao trabalho forçado na vida adulta. Por todas essas razões, a eliminação do trabalho infantil é uma das prioridades da OIT. De acordo com estimativas globais sobre o trabalho infantil, observa-se que em 2016, 152 milhões de crianças entre 5 e 17 anos eram vítimas de trabalho infantil no mundo – 88 milhões de meninos e 64 milhões de meninas. Números ainda bastante expressivos para a atualidade. Em relação ao Brasil, dados referentes a 2015 demonstra que a maioria da população ocupada entre cinco e dezessete anos está nas regiões Nordeste (852 mil) e Sudeste (854 mil), seguidas das regiões Sul (432 mil), Norte (311 mil) e Centro-Oeste (223 mil).

A globalização tem sido um fator contribuinte para o aumento de trabalhos forçados, que incluem crianças e idosos, pois esta prática está presente nas cadeias globais de fornecimento, onde muitas vezes, imigrantes ilegais se sujeitam a esta relação de trabalho para sobreviverem, incentivando tal prática em detrimento de lucros cada vez maiores das empresas. Tal prática é similar ao trabalho escravo, que também é protegido por tratados e diretrizes internacionais, como por exemplo, a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, do qual o Brasil faz parte, em seu artigo 4º versa sobre a proibição do trabalho escravo: “Ninguém pode ser mantido em escravidão ou em servidão; a escravatura e o comércio de escravos, sob qualquer forma, são proibidos”.

Em relação ao trabalho doméstico no Brasil, muitas crianças são privadas do convívio com suas famílias, além de serem submetidas a longas horas de trabalho, não participação na escola, também sendo expostas a abusos sexuais, psicológicos, ou seja, causa danos graves para as crianças. Segundo Renato Mentes, coordenador nacional do Programa para Erradicação do Trabalho Infantil da OIT, expõe: “Muitas trabalhadoras domésticas que vêm de uma situação de trabalho infantil têm um perfil mais submisso e introvertido, características desenvolvidas por uma criança ou adolescente que assume um papel de adulto dentro de casa”, afirma. São considerados trabalhadores invisíveis, pois como trabalham em casas e segundo nossa constituição, art. 5º inciso XI, “a casa é asilo inviolável do indivíduo”, fato que dificulta ainda mais a fiscalização por parte das autoridades.

Em nosso ordenamento jurídico temos clara a prevalência e a supremacia da Constituição Federal de 1988 perante as demais normas, às quais serve de fundamento e fonte principiológica, assim como fonte de conceitos e limites à hermenêutica a ser aplicada pelos operadores do direito. Nessa linha, temos vários dispositivos constitucionais que garantem à criança e ao adolescente, em nossa sociedade, uma série de direitos fundamentais ao pleno desenvolvimento psíquico, orgânico e social desses. Desde a Emenda Constitucional n. 20, de 15 de dezembro de 1998, nossa Carta passou a conter a vedação expressa ao trabalho do menor de dezesseis anos, como segue:

 Art. 7º. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

[...]

XXXIII – proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos.

Vemos, portanto, a preocupação do legislador constituinte em preservar os direitos da criança e do adolescente quanto à proibição de sua participação em trabalho. Entretanto, ressalvou o dispositivo constitucional a possibilidade do trabalho na condição de aprendiz após completar quatorze anos de idade. 

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.4 Kb)   pdf (82.8 Kb)   docx (10.5 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com