TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A REORGANIZAÇÃO DA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Por:   •  22/5/2015  •  Trabalho acadêmico  •  1.274 Palavras (6 Páginas)  •  212 Visualizações

Página 1 de 6

A REORGANIZAÇÃO DA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

                                              Relatório

Embora, muitos tabus tenham sido quebrados em relação as os que necessitam educação especial desde a criação da Resolução CNE/CEB nº 2/2001 (BRASIL, 2001), as escola vem se adaptando para melhorar a inclusão desses alunos.

Como pode ressaltar a entrevista com a coordenadora. Fico evidente com as resposta da entrevistada que e recente a adaptação da escola para a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais. Porem assim sendo podemos concluir que mesmo faltando mudança na escola, está conseguindo cumprir o que a legislação prevê como:

Sim, a escola já tinha condição para a inserção dos alunos, mas ainda faltavam algumas mudanças, mas com a inserção dos alunos foram realizadas algumas adaptações na escola para atender os alunos como: Dentro da classe normal juntamente com a professora regente, outra professora acompanha na integra o aluno com necessidades educacionais especial, sendo uma professora para cada aluno; a classe que tem um aluno com necessidades educacionais especiais, o números de aluno nessa classe não ultrapassa de 15 alunos por turma; material pedagógico especifica para cada aluno como necessidades educacionais especiais conforme a sua deficiência; organização curricular para atender esse aluno; que inclua esse aluno com os demais alunos da classe, na sala de aula em todas as disciplinas, a avalição e continua sendo avaliado constantemente.

No espaço físico as mudanças são: as portas com medida especial, rampa em todas as entradas da escola, banho especial para os deficientes.

A entrevista deixa claro que a rede municipal de ensino mostra um comprometimento com a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais, promovendo as mudanças necessárias tanto coma estrutura humana e estrutura física para atender esses alunos.

 A inclusão dos alunos, com em classes comuns torna-se um grande benefício principalmente para os alunos com, porem os alunos sem necessidades educacionais especiais, pois a grande maioria descobre ser capaz de atos solidários e cooperativos desde cedo, tornando-se mais compreensivos, tolerantes e confiantes nas relações com os outros. Com isso a professora consegue ter resultado satisfatório com a ajuda dos demais alunos da turma.

Considerando todas as respostas da coordenadora podemos relatar que muita coisa deve ser adotada nas escolas. Mais temos a certeza que já esta sendo comprida grande parte da Resolução CNE/CEB nº 2/2001 (BRASIL, 2001). Ainda esta longe dos comprimentos na integra da legislação. Como vemos nessa escola a implantação foi em 2009, oito depois da implantação da resolução, mas esta no caminho certo.

A Educação Inclusiva é um desafio constante para todos os profissionais da educação e para a sociedade em geral, pois a inclusão é um dos princípios fundamentais para a transformação da sociedade atual. Continuo acreditando em uma educação ajustada no auxílio, na criatividade, na reflexão crítica, na solidariedade e preparada para atender a uma diversidade maior de alunos tendo que se adaptar a metodologias diferenciadas e na busca de reconhecimento do outro independente de suas condições sociais, intelectuais ou físicas.

A REORGANIZAÇÃO DA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA.

Entrevista realizada em uma escola municipal da cidade de Itaquirai-Ms.

  1. Quantos alunos frequentam a escola que você coordena?

R: neste ano letivo estudam na escola (3) três alunos com necessidades educacionais especiais. Sendo dois alunos no período matutino e um aluno no período vespertino.

2) Quais as necessidades educacionais que eles apresentam (deficiência física, auditiva, visual, intelectual, altas habilidades ou condutas típicas)?

R: Um aluno apresenta deficiência física e deficiência intelectual, no 2° ano do ensino fundamental, no período matutino.

Uma aluna apresenta deficiência visual, no 4° ano do ensino fundamental, no período matutino.

Um aluno apresenta deficiência física, no 5° ano do ensino fundamental, no período vespertino.

 

3) A escola, a partir da inserção do(s) aluno(s) com necessidades educacionais especiais nas classes comuns, realizou mudanças na sua forma de organização no que se refere à organização curricular, às práticas pedagógicas desenvolvidas em sala de aula, aos recursos didáticos utilizados, aos recursos e instrumentos de avaliação, à organização do espaço, entre outros aspectos?

R: Sim, a escola já tinha condição para a inserção dos alunos, mas ainda faltavam algumas mudanças, mas com a inserção dos alunos foram realizadas algumas adaptações na escola para atender os alunos como: Dentro da classe normal juntamente com a professora regente, outra professora acompanha na integra o aluno com necessidades educacionais especial, sendo uma professora para cada aluno; a classe que tem um aluno com necessidades educacionais especiais, o números de aluno nessa classe não ultrapassa de 15 alunos por turma; material pedagógico especifica para cada aluno como necessidades educacionais especiais conforme a sua deficiência; organização curricular para atender esse aluno; que inclua esse aluno com os demais alunos da classe, na sala de aula em todas as disciplinas, a avalição e continua sendo avaliado constantemente.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.7 Kb)   pdf (101.2 Kb)   docx (14.7 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com