TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Tcc pedagogia

Por:   •  31/5/2015  •  Bibliografia  •  1.982 Palavras (8 Páginas)  •  317 Visualizações

Página 1 de 8

FACE – FACULDADE DE CIÊNCIAS EDUCACIONAIS
NUPPE – NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO







DIFICULADADE NA LEITURA NO PROCESSO DE INCLUSÃO


ALESSANDRA SANTOS















SANTO ANTÔNIO DE JESUS – BA
NOVEMBRO, 2011


PROJETO TCC

DIFICULADADE NA LEITURA NO PROCESSO DE INCLUSÃO










Projeto apresentado à Faculdade de Ciências Educacionais – FACE, como requisito parcial de avaliação da disciplina TCC trabalho deconclusão de curso, do curso de Pedagogia sob a orientação da professora Fatima. 












Santo Antônio de Jesus – Ba
Novembro, 2011
SÚMARIO

1. INTRODUÇÃO
2. DESENVOLVIMENTO
2.1. JUSTIFICATIVA
2.2. OBJETIVOS
2.3. OBJETIVO GERAL
2.4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS
2.5. REVISÕES BIBLIOGRÁFICAS
2.6. METODOLOGIA
3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
4. CONOGRAMA

Tema- Dificuldade na leitura no processo de inclusão 
Titulo-O prazer da leitura e da escrita

Este projeto tem como objetivo analisar as dificuldades encontradas pelos educandos que apresentam algum tipo de necessidades educacionais especiais em relação á aquisição da leitura durante o processo ensino aprendizagem.
É fundamental importância dar atenção às dificuldades da deficiência na aquisição da leitura.Faz-se necessário assim ,perceber em que medidas os aspectos interferem no processo de construção de um aprendizagem significativa na área da leitura. Pois,para tornar uns alunos em bons leitores é preciso desenvolver neles o gosto, o interesse e o compromisso pela leitura.
A escola insere neste contexto como instrumento hábil, motivando os alunos através de uma mudança de concepção, ou seja, transformando a leitura em algo prazeroso, fonte de não apenas de informação, mas principalmente de lazer.
A elaboração desse projeto tem como principio a necessidadede promover uma educação de caráter democrático dentro do rigor cientifico que norteia todas as disciplinas componentes da matriz curricular, mesmo a parte diversificada, por meio de diálogos, do conflito de ideias das indagações como forma de construir inclusão numa tentativa de aprofundar o conhecimento sobre a aquisição da leitura e ajudar as crianças principalmente as que apresentam algum tipo de necessidades educacionais especiais a desenvolver o hábito de ler.
Trabalhar com crianças que tem deficiência educacional requer uma atenção maior do educador, durante o processo de ensino aprendizagem.
Além disto, escolhi este tema: Deficiência na leitura no processo de inclusão para que encontre meios que ajudem no desenvolvimento do trabalho do educador, bem como aprimore seus conhecimentos e ajudem os educandos na sua aprendizagem.
Entretanto, fica claro que na perspectiva da educação inclusiva, passa a interagir com propostas pedagógicas inseridas na escola regular buscando proporcionar meios seadequar a todo e qualquer individuo com limitações ou não no contexto escolar. Para isso, os educadores devem estar preparados para enfrentaras dificuldades apresentadas, com a possibilidade de atuar, com conhecimento específico, para saber como lidar com esses educando(s).
Não só o educador, mas se a sociedade de forma geral proporcionar fazersua parte, reconhecendo os valores de todo e qualquer cidadão, com certeza teremos uma educação não exclusiva, mas sim inclusiva, onde todos possam viver uns com os outros sem qualquer preconceito e descriminação.
Para isso é necessário aprender a conviver com as diferenças sempre, abraçando a diversidade, apoiando-se na semelhança e diferenças de todas as crianças em prol do bem comum.


JUSTIFICATIVA 

Este projeto pretende visualizar as dificuldade encontradas ao trabalhar com crianças com necessidades educacionais especiais em relação a aquisição da leitura, bem como as possibilidades de uma pratica que comtemple a todas as crianças, sem dificuldades.
O movimento para uma educação inclusiva envolve todos os seguimentos, seja ele politico social e pedagógico não restringindo apenas a um único núcleo, buscando defender o direito dos alunos estarem em contato uns com os outros, para poderem aprender interagir, sem haver nenhuma descriminação. Com essapossibilidade e vendo a dificuldade enfrentada pelo sistema educacional, fica claro que para superar tais dificuldades faz-se necessário e a busca de alternativa, aonde venha a superá-las e a educação inclusiva passa a assumir um espaço de destaque, buscando uma mudança estrutural para que os alunos com suas especialidades sejam atendidos.
A escola tem um papel importante na educação bem como o professor enquanto mediador de conhecimentos, pois ambos é o elo no processo ensino e aprendizagem, que conduz a consciência de cidadania. Neste contexto, o papel do educador é fundamental nesse processo, garantindo espaço e as condições para que os alunos se sintam a vontade para conviver e participar nos grupos. 
Assim, cabe a escola reconhecer sua capacidade de atuar como estimuladora no processo de inclusão e propiciar o máximo em experiências: Não apenas com base no falar, mas no ouvir, comentar, sugerir e conhecer o outro e aceita-lo como ele é.
Nesse sentido, o dialogo, o estreitamento da confiança, a evolução da autoestima são elementos fundamentais para o êxito que se espiram resultar do processo ensino aprendizagem.
Diante disso constata-se a necessidade de buscar alternativas para a melhoria da qualidade de ensino rumo ao processo de inclusão.

SITUAÇÃO PROBLEMA

Quais estratégias utilizadas para desenvolver uma boa comunicação?
Como trabalha a dificuldade na leitura com crianças especiais?
O que se podefazer para os alunos com deficiência na linguagem adquirirem o hábito da leitura?
PÚBLICO ALVO
Alunos com necessidades educacionaisespeciais do 3º e 4º ano do ensino fundamental.
OBJETIVOS:
Geral
Promover o hábito na leitura para obter um melhor diálogo.
Especifico
Despertar o interesse pela leitura através de atividades lúdicas;
Ler e interpretar diferentes modalidades textuais;
Compreender a importância da leitura na suavida continua;
Favorecer a construção de textos pelos próprios alunos a partir da observação de imagens.







EMBASAMENTO TEÓRICO

As diferentes aprendizagens se dão por meio do conhecimento e esse processo é protagonizado pelas crianças quando podem vivenciar experiências que lhe forneçam conteúdos de forma simples, e associar praticas sociais reais.
A criança com necessidades especiais não é uma criança antologicamente deficiente, porém é uma criança como todas as demais com particularidades definidas na sua aprendizagem. Faz-se necessário uma revisão conceitual da representação construída ao longo de muitosanos, da pessoa com deficiência.
De acordo com Vygotsky: 
A condição para as crianças passe por transformações sociais, que a torne capaz de desenvolver estruturas humanas fundamentais, como o do pensamento e da linguagem apoia-se na qualidade das interações sociais e seu grupo (família, escola, etc.) (2000).
Para ele, o grande obstáculo é quando a criançase depara com o isolamento dentro da própria família e no cotidiano escolar, ou na vida em sociedade. Pois, se positivas forem às trocas, mais fortalecedoras será o seu desenvolvimento.
Jean Piaget (1896-1980) assim que é através da interação do sujeito com o objeto que é construído o conhecimento. Ára ele, a criança se apodera de um conhecimento se “agir” sobre ele, pois aprender e modificar, descobrir, inventar, compreender. Hoje sabemos que para descobrir conhecimentos nã basta ouvir. Na verdade as crianças interpretam o que ouvem, pensam e refletem a partir doq eu já conhecem.
De acordo com a Constituição Federal de 1988, traz como um dos seus objetivosfundamentais “promover o bem a rodos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação” (Art 3, inicio IV). Significando que todos os seres humanos têm direito a ter uma boa qualidade de ensino, independente de nível social que às encontrem. Já no art. 2005, reafirma o direito do cidadão, para que possa garantir o seu pleno desenvolvimento como pessoa.
O Plano Nacional de Educação, PNE, lei nº 172/2001 destaca que “ o grande avanço 
da educação deveria produzir séria construção de uma escola inclusiva que garante o atendimento a diversidade humana.
Sugere que para haver um bom desenvolvimento é preciso programas educacionais quevise a participação de outros setores, como: áreade saúde, assistência social,visando a ampliação de atendimento desde a educação infantil até a qualificação profissional dos educandos.
Desta forma a permanência de alunos com deficiêncianas classes comuns da escola regular seria mais favorável, pois os educadores desenvolveriam com mais facilidade os seu trabalho, havendo uma participação conjunta em prol do mesmo objetivo, buscando soluções para haver uma boa aprendizagem. (PCN: Pluralidade Cultural e Orientação Sexual).
A escola tem um papel crucial a desempenhar nesse processo, pois é ela que deve ser ensinado como conviver em um ambiente respeitando as diferenças. 
A Declaração de Salamanca (1994) proclamo que as escolas regulares com orientação inclusiva constituemos meios mais eficazes de combate a atividades discriminatórias e que alunos com necessidades educacionais especiais devem ter acesso à escola regular, tendo como principio orientador que “as escolas deveriam acomodar todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas, ou outras”. ( Brasil, 2006.pag 330).
Incluir o aluno com necessidades especiais em salas regulares é um grande desafio que não é apenas acolher, a inclusão vai mais além deste contexto, quando inserimos devemos proporcionar ao aluno situações prazerosas de uma interação entre os colegas e bom convívio entre todos que fazem parte daquela comunidade escolar.
Como diz Freire: (1996) “Ensinarexige segurança, competência profissional e generosidade”. Nesta dimensão a construção da aprendizagem em relação a leitura não é magica, demanda esforço físico e mental, continuo e permanente por parte dos envolvidos nesse processo. Mostrar o valor da leitura para o educando sejaele “normal” ou “não”, não é uma tarefa fácil, é preciso construir e levar à prática e serem vivenciadas de modo que o mesmo venha a ser a condição fundamental para uma boa aprendizagem, pois o papel central da leitura não é “ler para aprender a ler”, mas para alcançar um determinado objetivo.
Solé afirma que:
(...) “a leitura é um processo de intervenção entre o leitor e o texto: neste processo tenta-se satisfazer (...) os objetivos que guiam sua leitura”. Solé (1998, pag 22).
As concepções acima vão nos ajudar a compreender de que forma devemos agir diante de uma classe que tenha crianças com necessidades especiais mostrando-nos que não basta apenas colocarmos em prática tudo que já conhecemos e o que faz parte da nossa vida. Pois é construindo o conhecimento e buscando novos caminhos que vamos encontrar soluções para os problemas que nós como todos os educadores enfrentamos no dia a dia, para que os educandos possam ter uma aprendizagem significativa, ampliando a sua capacidade de perceber a diversidades das realidades sociais por vivenciadas.


METODOLOGIA
A presente pesquisa bibliográfica acrescida de Pesquisa deCampo do referente projeto TCC será realizado no município de Conceição do Almeida, em uma rede de ensino que fica localizada no Povoado de Amoras, Zona Rural, onde as mesma atende alunos da Educação infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental.
Estarão incluindo nesta pesquisa 2 professoras do ensino fundamental, além da diretora, coordenadoras, estas professoras atuam com crianças de 5 a 14 anos de idade, sendo que estas salas de aula são multiseriadas.
Esta pesquisa foi desenvolvida uma coleta de dados com professores do 1º ao 5º ano onde as mesmas responderão um questionário oral e outro escrito com questõesabertas com objetivo de analisar a concepção de cada umasobre a importância da leitura no dia a dia daquelas crianças na sala de aula, como o professor está desempenhando, ou seja desenvolvendo este paradigma que é a dificuldade na leitura naquela escola.
No período do estágio buscou-se uma forma dinâmica, para que houvesse uma boa comunicação, tendo uma preocupação no sentido de que tudo corresse bem e os objetivos fossem alcançados. Para tanto utilizou de recursos condizentes as necessidades, bemcomo a realidade dos educandos para que facilitasse o diálogo, ou seja, a aprendizagem.
A metodologia a qual utilizei buscou ser bastante clara, onde cada passo a ser seguido foi delineado através de leitura feita pelos alunos, atividades orais e escritas.
A minha pesquisa de campo foi uma pesquisabibliográfica, pois as mesmas me possibilitaram a observação direta e objetiva das informações com embasamento teórico e metodológico.
Vale ressaltar que este projeto poderá sofrer algumas mudanças ao longo de sua aplicação com outras atividades possíveis, que venham proporcionar o hábito e o prazer pela aprendizagem dos educandos.

CRONOGRAMA


ATIVIDADES


NOV.

DEZ.

JAN.

FEV.

MAR.

Elaboração do Projeto
X





Entrega do Projeto
X





Pesquisa Bibliográfica
X
X




Coleta de dado

X




Apresentação da discursão dos dados


X




Conclusão 



X


Entrega do TCC

X




Defesa da bancada




X



REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICAS

BRASIL – Construção da Republica Federativa do Brasil Brasília Empresa Oficial, 1988.
--- Ministério da Educação Nacional LDB 9394, de 20 de dezembro de 1996.
--- Ministério de Educação Especial Publica Nacional da Educação Especial. Brasília, Secretaria de Educação Especial 1994.
--- Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais, Brasília UNESCO, 1994.
--- Paramentos Curriculares Nacionais, Pluralidade Cultural e orientação Sexual/ Secretaria de Educação Fundamental. 3.ed- Brasília, 2001.
FREIRE. Paulo, A importância do ato de ler em três artigos que se completam, 45º Ed. São Paulo. Cortez. 2001.
PIAGET. INHELDER. B. A Psicologia da criança. Rio de Janeiro. 1989.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (14.3 Kb)   pdf (65.1 Kb)   docx (15.4 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com