TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Evolução e Aprendizagem das Pessoas com Transtornos Globais do Desenvolvimento.

Por:   •  20/9/2015  •  Trabalho acadêmico  •  1.544 Palavras (7 Páginas)  •  156 Visualizações

Página 1 de 7

Unidade II: Processos de Desenvolvimento, Evolução e Aprendizagem das Pessoas com Transtornos Globais do Desenvolvimento.

PROFESSOR: Profa. Dra. Jucélia Linhares Granemann

LUCIENE DE FREITAS SANTOS – Grupo 04 – Tutora Marcela Favilla

ATIVIDADE I - Texto dissertativo com dois enfoques principais: primeiro, os processos de desenvolvimento e evolução, atendimentos destinados às pessoas com transtorno global do desenvolvimento. Depois, discuta sobre a importância, a participação e as dificuldades enfrentadas pelos profissionais atuantes, juntamente com as famílias desses indivíduos.

A leitura dos textos me possibilitou averiguar dados estatísticos sobre os Transtornos Globais do Desenvolvimento, pesquisas de amostras e coletas de dados que poderão nos ajudar a oferecer um atendimento mais qualificado a essas crianças.

Os Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são distúrbios nas interações sociais recíprocas que costumam manifestarem-se nos primeiros três anos de vida. Caracterizam-se pelos padrões de comunicação estereotipados e repetitivos, assim como pelo estreitamento nos interesses e nas atividades. Os TGD englobam os diferentes transtornos do espectro autista, as psicoses infantis, a Síndrome de Asperger, a Síndrome de Kanner e a Síndrome de Rett.

Em relação aos TGD, diversos preconceitos e conceitos equivocados, bem como teorias desatualizadas e mitos predominam e são inadvertidamente reforçados e perpetuados ao longo dos anos. Na realidade brasileira, há informações obsoletas e produções científicas incipientes, que impedem a realização de diagnóstico e intervenção nos primeiros anos de vida da criança. Não há estatísticas oficiais atualizadas e contextualizadas sobre os TGD, o que torna difícil perspectivar quais as medidas políticas e científicas pedagógicas para a prevenção e tratamento, que perpetuem desigualdade e injustiça sociais.

Diante dos sentimentos de preocupação, insegurança, desconhecimento e formação dos profissionais frente à inclusão de alunos com TGD, descritos na literatura, são importantes criar iniciativas que apoiem o trabalho pedagógico com a intenção de facilitar esse processo e a etapa de adaptação frente ao desafio da inclusão de todos.

Receber um novo aluno, especificamente com TGD, pode ser ainda mais desafiador, se o professor não tem informação, preparação prévia, conhecimentos sobre o diagnóstico, experiência para a formação de vínculo, e recursos a sua disposição para facilitar o trabalho escolar e promover o processo de ensino e aprendizagem.

A falta de reconhecimento e intervenção precoce pode comprometer o desenvolvimento, a qualidade de vida, a participação e inclusão na sociedade. Portanto, os profissionais devem tornar-se pesquisadores e focar na observação do aluno, criando uma relação entre os dois, lenta em avanços ao longo da convivência, mas estável (TREVARTHEN, 1996).

O conhecimento e o respeito às características do indivíduo com TGD (especialmente comportamento, habilidade de comunicação, relacionamento social, funcionamento cognitivo), a construção dos objetivos do plano de ensino individualizado e a aplicação de pressupostos da análise do comportamento são bons suportes para o processo de ensino e aprendizagem.

As pessoas com TGD beneficiam-se de um método que preconize a organização, intervenção contínua, adaptação do ambiente rotina e tarefas estruturadas, que envolvem intervenções específicas baseadas em suas necessidades e que através de sua constituição possibilite: desenvolvimento, aquisição de autonomia, ganho de competências para vida prática e diária, e independência.

Como são essas crianças, com relação à interação social, crianças com TGD apresentam dificuldades em iniciar e manter uma conversa. Algumas evitam o contato visual e demonstram aversão ao toque do outro, mantendo-se isoladas. Podem estabelecer contato por meio de comportamentos não verbais e, ao brincar, preferem ater-se a objetos no lugar de movimentarem-se junto das demais crianças. Ações repetitivas são bastante comuns. Também causam variações na atenção, na concentração e, eventualmente, na coordenação motora. Mudanças de humor sem causa aparente e acessos de agressividade são comuns em alguns casos. As crianças apresentam seus interesses de maneira diferenciada e podem fixar sua atenção em uma só atividade, como observar determinados objetos, por exemplo.

Com relação à comunicação verbal, essas crianças podem repetir as falas dos outro - fenômeno conhecido como ecolalia - ou, ainda, comunicar-se por meio de gestos ou com uma entonação mecânica, fazendo uso de jargões.

Crianças com transtornos de desenvolvimento apresentam diferenças e merecem atenção com relação às áreas de interação social, comunicação e comportamento. Na escola, mesmo com tempos diferentes de aprendizagem, esses alunos devem ser incluídos em classes com os pares da mesma faixa etária.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (10.8 Kb)   pdf (339.5 Kb)   docx (112.2 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com